Como tocar samba e bossa nova na bateria

Como tocar samba e bossa nova na bateria

Muitos dos meus alunos têm interesse em aprender a tocar samba e bossa nova na bateria.

Pensando neles e em você eu reuni neste artigo várias informações para você começar a tocar o seu samba, com muito estilo, iniciando com uma preparação bem simples e fácil de acompanhar. Você vai ver.

Mas, antes disso, vamos entender um pouco sobre esse ritmo tão especial para a música brasileira e que ganhou expressão e importância na cultura musical mundial.

Os tipos de samba na bateria e suas diferenças

É bom que você saiba antes de mais nada que não existe apenas um tipo de samba.

Na verdade, são vários estilos de samba e há diversos fatores que determinam as diferenças entre esses estilos no que se refere à forma de tocar na bateria:

  • andamentos;
  • formas de se tocar com bumbo;
  • variações na caixa;
  • sambas tocados com as duas mãos na caixa;
  • sambas tocados com as duas mãos no contratempo;
  • samba usando os tambores;
  • além do fato do baterista tocar com ou sem o acompanhamento de um percussionista.

 

Os principais tipos de samba, incluindo a bossa nova

Os principais tipos de samba são:

  • Samba de raiz,
  • samba rock,
  • samba funk,
  • gafieira,
  • samba canção,
  • samba do partido alto,
  • samba de roda
  • e a própria bossa nova.

 

O samba e a bossa nova (que também é um estilo de samba) podem ser tocados em vários andamentos.

 

O andamento também vai determinar que estilo de samba está sendo tocado.

 

Também há casos em que a instrumentação (os instrumentos que formam a banda) vai ajudar a definir o gênero.

 

Samba e bossa nova de uma forma fácil usando a preparação

Há quem diga que para se tocar samba na bateria tem que ser um baterista experiente. Mas, não é bem assim. Meu desafio aqui é provar para você que isso não é verdade se você seguir os passos que eu vou ensinar.

Se você é um baterista iniciante, ou que ainda tem dificuldades para tocar samba (incluindo a bossa nova), acho que você vai gostar dessa aula.

 

Vamos tocar a preparação do samba e bossa nova?

Primeiro é necessário assimilar a base do ritmo e depois a gente vai acrescentando algumas variações para deixar a coisa mais incrementada.

Para facilitar o entendimento, dividi cada tempo de um compasso em quatro partes iguais (quatro semicolcheias por tempo), tocadas no prato de contratempo.

 

Base do ritmo e coordenação do prato e bumbo

 

Você vai começar com o prato, que é a peça que toca constantemente (em 1, 2, 3 e 4). O prato de contratempo vai ser a sua referência.

 

Depois, você vai tocar o bumbo nas notas 1 e 4 de cada tempo, como assinaladas em vermelho na partitura.

Observe que você vai encaixar o bumbo em algo que já vem se repetindo, entendeu? Como uma bandeirada de corrida de formula 1! Toda vez que você passar pelos números 1 e 4, você vai tocar o bumbo.

 

Se tudo isso for algo novo para você, antes de irmos para o próximo tópico, é melhor repetir várias vezes essa base, só com o prato e o bumbo, sem deixar falhar e até o ritmo ficar bem firme.

 

Repare também que o bumbo da nota 4 se une ao da nota 1 nas voltas. Ou seja, quando você emendar os tempos o bumbo vai se repetir. Beleza?

 

 

Modo de se tocar no aro da caixa

O samba (e bossa nova) tocado na bateria é uma junção ou compactação de como o estilo seria tocado por vários instrumentos (chocalho, tamborim, surdo e caixa). Aliás, a bateria é isso mesmo, uma junção de instrumentos.

 

A caixa, por exemplo, quando tocada no aro é, na verdade, uma simulação do tamborim, que é tão importante no samba.

 

Para fazer um som bem característico você vai usar a baqueta repousada sobre a caixa com a mão espalmada com o pulso sendo usado como alavanca.

 

Eu sugiro que você use a baqueta invertida, tocando com o cabo da baqueta no aro, resultando um som mais estalado, devido ao cabo ser um pouco mais reto e mais grosso do que a ponta.

 

Acontece que muitas vezes a parte de percutir da baqueta já estar ruída ou gasta e aí o som deixa a desejar para o efeito que queremos aqui.

Com a baqueta deitada procure um ponto onde o som fique bem estalado. Não deixe a baqueta muito para fora nem muito para dentro. A distância de dentro da caixa, a parte do pulso, deve ficar mais ou menos 2 ou 3 dedos afastada do aro, como na foto a seguir.

 

 

 

Três variações e estruturação do ritmo
Em resumo, esta aula inicial de samba e bossa nova, se baseia em fixar a coordenação da mão do prato em conjunto com a condução do bumbo, agregando em seguida as variações da caixa.

 

Na parte que você já estudou você exercitou a base e a coordenação e agora a gente começa com as variações.

 

Vamos começar pelas variações que exigem menor coordenação e, na sequência, a gente vai agregando outras variações.

 

Eu vou apresentar 3 variações ao todo. Em cada tempo eu apresento uma variação. Aí, quando juntarmos todas essas variações, damos origem a uma levada bem legal no estilo de samba.

 

Olha só as primeiras variações:

 

 

Primeira variação: toque o bumbo nas notas 1 e 4 e a caixa na nota 3 de cada tempo.

Você pode ir exercitando cada variação que eu apresentar. Beleza? Quando estiver bem tranquilo e no automático, aí você segue para a próxima.

 

 

Segunda variação: toque o bumbo nas notas 1 e 4 de cada tempo e a caixa na nota 2 de cada tempo.

 

Terceira variação: toque o bumbo nas notas 1 e 4 e a caixa nas notas 2 e 3 de cada tempo.

Se você chegou aqui já aprendeu a base e agregou as três variações.

 

Agora é que vem a mágica! Vamos juntar as variações na ordem que eu explico abaixo e vamos fazer a nossa levada de samba:

 

No tempo 1, toque a primeira variação;

No tempo 2, a segunda;

No tempo 3, toque a primeira variação novamente;

e no quarto tempo toque a terceira variação.

 

A partitura final da nossa levada de samba vai ficar assim:

 

Comece bem devagar, aumente a velocidade depois!

Se você seguir as etapas que eu lhe mostrei acima com calma e dedicação você vai chegar lá!

 

Mas, olha: não adianta querer tocar rápido sem executar direito e devagar cada etapa, com as repetições dos exercícios.

 

Você tem que interiorizar a forma de tocar e naturalmente vai aumentando a velocidade. Beleza?

Como estudar com acompanhamento e sugestões de músicas

 

Uma dica legal é você pesquisar músicas bem lentas ou diminuir a velocidade da música para tentar acompanha-las.

 

Nesta lição, por exemplo, você pode usar a bossa lenta e o samba canção como acompanhamento.

 

Aqui vai uma boa lista de músicas que se encaixam bem:

 

“As rosas não falam”;

 

“Carinhoso”;

 

“Sampa”;

 

“Wave”.

 

Todas essas músicas, dependendo da versão, podem ser utilizadas como exemplos para você praticar e já sair tocando nossa levada de samba.

É isso aí! Espero que tenha sido uma aula bem legal para você.

 

Siga sempre com atenção cada passo e descomplique seu aprendizado da bateria!

 

Eu vou ficar muito contente se você curtir esse post e compartilhar indicando essa aula gratuita para outras pessoas.

 

Assim eu vou saber que você gostou e vou continuar trazendo outros conteúdos e aulas para descomplicar o ensino de bateria e percussão.

 

“Jazzeando as levadas pop”

Aprenda a dar uma swingada naquela batida pop. Ao colocarmos uma condução de Jazz nas levadas produzimos um efeito muito bom, causando uma ótima impressão para quem ouve. Um groove super simples pode se tornar em uma linda levada.

Primeiro pratique bastante a condução jazzíztica bem lento, quando estiver bem seguro, adicione a levada a que será “jazzeada”.

Segue aqui o material em PDF GRÁTIS . Bons estudos.